sábado, 24 de outubro de 2015

Seca /



SISTEMA EMERGENCIAL VAI CAPTAR ÁGUA DO VOLUME MORTO DE JUCAZINHO

Durante 15 dias, 12 cidades do Agreste precisarão ser abastecidas por carros-pipa para implantação do sistema3/10/2015 - Da Redação Liberdade, Helenivaldo Pereira - 18h36



A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) vai começar a explorar o volume morto da barragem de Jucazinho, em Surubim, no Agreste pernambucano. Uma captação por meio de bomba submersa está sendo instalada para conseguir captar a água restante da barragem, que hoje está acumulando 2,56% de sua capacidade total, que é de 327 milhões de metros cúbicos.

A previsão é que o sistema emergencial esteja funcionando em até 15 dias. Durante esse período, que começa a contar a partir deste sábado (24), 12 cidades atendidas por Jucazinho ficarão sendo abastecidas por carros-pipa.

O sistema emergencial para exploração do volume morto de Jucazinho faz parte do conjunto de obras que a Compesa está executando para reduzir o impacto que vem sendo causado pela maior estiagem dos últimos 50 anos no estado. A captação do volume morto de Jucazinho será feita por uma captação por meio de uma bomba submersa, que atenderá ao ritmo de retirada, que é de até 250 litros por segundo.

Como a tomada d’água por gravidade da barragem já está quase à mostra, o que impossibilita a captação pelo método normal, as cidades atendidas por Jucazinho ficarão recebendo água por carros-pipa até que o sistema emergencial seja implantado, durante os 15 dias previstos. Após esse prazo, o abastecimento voltará a ser feito segundo o rodízio vigente.

O uso do volume morto vai permitir que a retirada de água seja mantida por mais quatro ou cinco meses, dentro do esquema de rodízio atual, para as 12 cidades envolvidas: Cumaru, Passira, Riacho das Almas, Santa Cruz do Capibaribe, Salgadinho, Surubim, Casinhas, Santa Maria do Cambucá, Vertente do Lério, Frei Miguelinho, VERTENTES e Toritama, além do distrito de Ameixas. Caruaru, também no Agreste, continuaria sendo atendida pela barragem do Prata, enquanto Gravatá e Bezerros, pelos reservatórios de Brejinho, Cliper, Vertentes e Brejão.

O investimento para execução dessa obra é de R$ 1,3 milhão. Os recursos são provenientes do Governo do Estado e fazem parte do fundo para obras emergenciais de combate à seca. “Garantir água é o maior compromisso da Compesa e é por isso que estamos priorizando obras dessa natureza para evitar o colapso total do abastecimento nessas cidades do Agreste”, ressaltou o diretor  Regional  do Interior, Marconi Azevedo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário